Ilha do Campeche: um lugar que você não pode deixar de ir

ilha-do-campeche-um-lugar-que-voce-nao-pode-deixar-de-ir.jpeg

Patrimônio do Estado de Santa Catarina, a Ilha do Campeche é uma região que possui um rico ecossistema e um belíssimo patrimônio arqueológico, formada por costões e morros cobertos pela Mata Atlântica. A ilha possui uma única praia, com água cristalina e uma cor que varia entre verde e turquesa, possui poucas ondas e é ideal para e crianças e para quem gosta de fazer trilhas subaquáticas .

Quer conhecer um pouco mais sobre essa ilha paradisíaca? Continue lendo!

Por que a Ilha do Campeche é um patrimônio histórico?

Estima-se que a primeira aparição humana na ilha de Campeche foi por volta de 2 a 5 mil anos atrás. As heranças deixadas por essas pessoas estão gravadas nas pedras, em figuras rupestres deixadas em torno da ilha — figuras geométricas, flechas, máscaras e etc.

Foram catalogados 21 sítios arqueológicos, nove oficinas líticas e um sambaqui. Toda essa riqueza histórica fez com que ilha fosse considerada patrimônio arqueológico e paisagístico do Brasil e tombada pelo IPHAN — Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional — em 2000. O tombamento reduziu os danos causados nas décadas anteriores pela exploração desordenada do turismo no local.

Durante o século 18 a ilha foi ponto de caça de baleias e por causa dessa atividade a Pedra da Vigia do vigia ganhou esse nome, pois era o local onde os caçadores ficavam para observá-las.

Antes de se tornar área de preservação, a ilha chegou a ter roças de feijão, batata-doce, mandioca e milho. Também foi utilizada para a caça, o que causou a proliferação de quatis que perdura até hoje.

Quais são as atrações do local?

A ilha tem apenas uma praia, a Praia da Enseada. Ela encanta os visitantes com sua areia fina e branca e águas cristalinas que lembra as do caribe. Essa transparência favorece ao mergulho e trilhas subaquáticas, nas quais os visitantes, acompanhado por profissionais, podem admirar a rica fauna marinha do local.

A trilha terrestre também é uma das atividades que pode ser praticada na região. Entre as principais estão a trilha do letreiro, da pedra fincada, da volta norte, pedra preta do sul e pedra da vigia, cada uma com seu grau de dificuldade, quase todas passam por mata atlântica densa, monumentos arqueológicos e costões exuberantes que valem apena a energia gasta, e preciso contratar o serviço de guia que varia de R$ 15.00 a R$ 25.00 dependendo a Trilha escolhida.

Como é a estrutura para receber os turistas?

Apesar de receber muitos turistas no período de alta temporada, por ser área de preservação ambiental, a ilha possui uma estrutura simples, sem grandes serviços como saneamento, lixeiras, postos de salva vidas etc. Isso requer muita consciência dos visitantes que devem recolher todo o lixo que produzir no local e levar consigo no trajeto de volta.

A ilha de Campeche também não possui uma variedade gastronômica, tendo apenas um restaurante que funciona na alta temporada. Uma boa opção é o visitante levar sua comida e aproveitar o ambiente rico para fazer um piquenique.

Como chegar a Ilha do Campeche?

Para chegar até a ilha de Campeche o turista deve ir a um dos pontos de onde saem as embarcações autorizadas a fazer o traslado até o local. O transporte é feito por agências de turismo e associações de pescadores, e podem variar de 1 hora e meia a 40 minutos dependendo do ponto de partida.

Os barcos partem da Barra da Lagoa, Praia da Armação (melhor opção) e Praia do Campeche — a mais próxima da ilha. Cada associação tem uma cota de turistas que pode levar, sendo que na alta temporada é permitido no máximo a presença de 800 pessoas ao mesmo tempo na ilha.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre esse belíssimo local, é só preparar as malas, fazer o seu roteiro de viagem e pegar a estrada.

Se você gostou do texto e ficou com vontade de conhecer a Ilha de Campeche nós levamos você!

ilha do campeche passeios

Leia também nosso post sobre turismo sustentável para aproveitar melhor a visita a esse patrimônio histórico.

1 Comentário

Deixe um comentário